Reitor do Uni-FACEF continua na Austrália para firmar parcerias com universidades daquele país

Em seu quarto dia na Austrália, o Reitor do Uni-FACEF, Prof. Dr. José Alfredo de Pádua Guerra, e os demais reitores que integram a missão internacional da ABRUEM (Associação Brasileira de Reitores das Universidades Estaduais e Municipais) à Austrália, visitaram mais três universidades localizadas no estado de Queensland. Novamente divididos em grupos, conheceram as estruturas e trataram das possibilidades para o estabelecimento de parcerias no âmbito da internacionalização do ensino superior na Southern Cross University, em Gold Coast; na University of Southern Queensland, em Toowoomba; e na Queensland University of Technology, em Brisbane.

O grupo que realizou a visita técnica à University of Southern Queensland foi recebido pela reitora da instituição, a professora Geraldine Mackenzie, e pelo diretor de Relações Internacionais, professor Talal Yusaf, além de pesquisadores da Universidade. Na conversa, segundo o reitor Aldo Nelson Bona (Unicentro – Universidade Estadual do Centro-Oeste), presidente da ABRUEM, “eles procuraram deixar claro que, em relação ao estabelecimento de parcerias, a preocupação principal não é a financeira. Estão abertos à cooperação e à busca conjunta de condições para que essa se concretize”. A University of Southern Queensland é líder em estudos online. A presença de alunos de graduação e pós-graduação não é obrigatória. “A instituição tem, matriculados, doutorandos de outros países, que se formam sem precisar vir à Austrália. Normalmente, eles passam um período aqui, mas não são obrigados a virem”, relata o professor Bona.

Nessa Instituição, se destacam as pesquisas em produção de produtos para suplementação alimentar, que são vendidos e geram receitas para a Universidade, e os estudos que buscam identificar os motivos pelos quais há uma maior ocorrência de casos de câncer no interior do país, que nas áreas urbanas.

De Brisbane, capital do estado de Queensland, a comitiva da ABRUEM seguiu para Sydney. Na cidade, a primeira parada foi na Western Sydney University, que conta com nove campi universitários e tem 28 anos de existência. Apesar de jovem, a Instituição tem excelência em 80% de suas 20 áreas de pesquisa, que contam com conceitos 4 e 5 (numa escala que vai de 1 a 5). Após a recepção oficial, os visitantes brasileiros foram divididos em dois grupos, para discussões mais aprofundadas sobre Cultura e Sociedade, e Agricultura e Meio Ambiente.

O Instituto de Cultura e Sociedade foi apresentado pelo seu diretor, professor Paul James. Ele ressaltou que as pesquisas desenvolvidas ali são engajadas, tanto com pessoas como com o mundo, objetivando gerar impactos positivos. Por isso, eles também se dedicam a mensurar qual o impacto que essas pesquisas tem no mundo e na cultura, a partir de uma plataforma digital. O conceito de “círculo de sustentabilidade” foi criado pelo pesquisador. Para ele, a sustentabilidade de uma cidade não está amparada somente na questão ecológica ou econômica, envolvendo também questões políticas, educacionais, culturais, entre outras.

A partir da explanação, o Reitor Jairo Costa (Uneal – Universidade Estadual de Alagoas) deu início as tratativas para que as universidades firmem parceria, objetivando a implantação do projeto de sustentabilidade em bairros pobres de cidades alagoanas. O diretor de Relações Internacionais da Unesp (Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho), José Celso Freire Filho, propôs a organização de um workshop ministrado pelo professor Paul James, no Brasil. “A ideia é que seja realizado um treinamento para os pró-reitores de Extensão das universidades afiliadas à ABRUEM sobre a utilização dessa ferramenta de mensuração de resultados dos projetos sociais desenvolvidos”, explica.