Reitor do Uni-FACEF participa de segunda semana de atividades da Abruem na Austrália

Com Abruem.

 

O Prof. Dr. José Alfredo Pádua Guerra, reitor do Uni-FACEF, e comitiva da Abruem continuam os contatos e visitas às universidades australianas, para fomentar as parcerias com aquelas universidades.

A diretora do Departamento de Educação australiano iniciou a reunião contando que, embora as instituições de ensino superior privadas sejam maioria no país, elas não são a preferência entre os estudantes. Ela fez questão de, ao longo de toda sua explanação, reforçar que o governo australiano tem clareza da importância da Educação para o desenvolvimento do país.

O financiamento educacional também esteve no centro da intervenção de Andrew Herd, responsável pelo Setor de Financiamento da Educação. Ele disse que os investimentos seguem duas frentes: a primeira delas é a pesquisa; e, a segunda, o financiamento da educação para os estudantes. Estes, também são classificados em dois tipos. Os subsidiados pelo governo (80% dos estudantes, em média) e os que pagam integralmente pela educação (20% dos matriculados). “O subsídio nunca é integral. Em regra, o estudante paga 42% e o governo 58% do valor total. Mas essa porcentagem varia de acordo com as áreas/cursos e também com o perfil do estudante. Após a integralização do curso, já no mercado de trabalho, esse egresso passa a pagar ao governo pelo financiamento obtido. Porém, esse repasse só inicia quando o profissional obtém uma renda superior a 52 mil dólares por ano, via imposto de renda. Caso ele nunca atinja essa renda mínima, a dívida dele é extinta”, contou Herd.

O funcionamento da educação superior australiana foi abordado por outro viés por Lisa McGlynn. A responsável pelo relacionamento com as instituições de ensino brasileiras relatou que as universidades e faculdades têm sua ação baseada em três pilares: o fortalecimento de colaborações, visando o aumento da qualidade; a criação de parcerias transformadoras; e o posicionamento voltado para a competitividade global. Para isso, buscam, dia a dia, o crescimento das parcerias globais; daí o interesse pela América Latina e, em particular, pelo Brasil. Para isso, contam com o programa Endeavour Scholarships and Fellowships, que objetiva financiar estudantes estrangeiros na Austrália e australianos em outros países. Essa iniciativa já financiou a mobilidade de quatro australianos para o Brasil e de 43 brasileiros na Austrália.

O responsável pelo Setor de Relações Internacionais do Universities Australia, John Wellard, disse que a Austrália é o terceiro destino de estudantes no mundo, atrás dos Estados Unidos e do Reino Unido. A educação internacional também é o terceiro elemento de maior peso na economia australiana, ficando atrás apenas da exploração do carvão e do gás, tendo movimentado, em 2016, mais de meio milhão de estudantes.

O país, segundo os representantes do Universities Australia, está vivendo sua terceira onda de educação internacional. A primeira se deu entre 1950 e 1960, quando receberam muitos asiáticos. Depois, nos anos 1990 e 2000, ocorreu a segunda fase, quando houve um boom de recrutamento de estudantes internacionais. Já a terceira etapa diz respeito ao período atual, com o estabelecimento de cooperações globais. O foco atual, porém, está voltado para a Ásia, América Latina e África do Sul.

A ampliação e o estreitamento das relações entre Austrália e Brasil na área da educação superior foram exemplificados por Lisa McGlynn com o aumento de publicações conjuntas entre pesquisadores dos dois países, principalmente na área da saúde. O número passou de 800, em 2012, para mais de 1.500, nesse ano. Com isso, passou-se a discutir as possibilidades de parceria; quais as dificuldades encontradas hoje; e de que maneiras elas poderiam ser superadas.