Pesquisadora da Unesp cita o curso de Letras Uni-FACEF em entrevista

Recentemente, a professora e pesquisadora da Fclar-UNESP (Araraquara/SP), Maria Celeste Consolin Dezotti, concedeu entrevista sobre fábulas e sobre a nova edição de seu livro. Na entrevista, a Profa. Dra.
Maria Celeste Dezotti mencionou, ainda, pesquisas desenvolvidas
pela área de Literatura do Curso de Letras do Uni-FACEF, relativos a esse tema.

Veja, abaixo, a entrevista da pesquisadora ao site Contec-Brasil.

UM MODO UNIVERSAL DE CONTAR HISTÓRIAS

Por Ivani Cardoso (contec-brasil.com)

As fábulas estão presentes na história da Humanidade e representam uma das formas mais antigas de passar mensagens, sempre vinculadas à capacidade de inventar histórias. A professora Maria Celeste Consolin Dezotti, da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, organizou A tradição da fábula: de Esopo a La Fontaine, lançado pela Editora Unesp, para discutir em termos teóricos e recuperar os textos mais significativos do gênero. E ela garante: “Há muitos fabulistas modernos, a fábula não para!”

Leia a íntegra da entrevista:

Como definiria fábula? Quais as suas características principais?

Uma definição bem simples de “fábula”: gênero que se caracteriza por veicular uma mensagem (conselho, exortação, censura etc.) embutida em um texto narrativo ficcional. Essa narrativa traz situações vividas por personagens-tipo, podendo ser humanas ou não (animais, vegetais, objetos, conceitos abstratos), mas todas elas são antropomorfas, ou seja, dotadas de fala e se comportam como seres humanos.

Qual a importância cultural e social das fábulas?

Dizer mensagens por meio de fábulas é uma das características mais gerais da fala humana. Ela está registrada nos documentos de escrita mais antigos que se conhece (cf. as fábulas preservadas em textos sumerianos datados, no mínimo, do século XVIII a.C.) e constitui uma forma poética popular, uma vez que se vincula à capacidade, inerente ao ser humano, de inventar histórias.

Como funcionam?

O falante/escritor pode construir para a sua narrativa a moralidade (a mensagem que quer comunicar) ou pode deixar ao ouvinte/leitor essa tarefa. Dizer coisas por meio de fábulas é mais que um gênero literário, é uma prática discursiva que ainda subsiste em nossa cultura, podendo ser verificada em diversas situações do nosso cotidiano: na vida doméstica, na escola, nos discursos políticos, etc.

Como fizeram a seleção das fábulas do livro?

A seleção dos textos visou oferecer a tradição que subjaz às fábulas de Monteiro Lobato e de Millôr Fernandes, os dois fabulistas brasileiros mais conhecidos e divulgados nos manuais escolares. O objetivo da obra é oferecer aos docentes da escola fundamental e média um conjunto de informações e de textos que lhes permitam contextualizar a fábula nessa longa história das práticas da linguagem humana.

Essa obra já foi publicada anteriormente e agora vem mais completa?

Sim, foi publicada em 2003 pela Editora da Universidade de Brasília. No final de 2018 ela saiu pela Editora da Unesp, com revisões e acréscimo de textos de mais um fabulista latino (Aviano).

Qual é a atualidade da fábula?

As transformações vão ocorrendo, mas a nossa linguagem ainda é a mesma. Vale observar que, dada a antiguidade desses textos, a nossa linguagem ocidental incorporou o material das fábulas e dele ainda faz uso como se fosse um código de cultura, o qual os escritores em geral pressupõem que seus leitores dominem.

Pode dar um exemplo?

Nizan Guanaes em seu texto sobre a Netflix (Folha de São Paulo, 15/08/17, p.26) usou o título “O rato pariu a montanha”. Ora, um leitor que não conhece pelo menos o valor do ditado “A montanha pariu um rato”, originado da fábula criada por Fedro (séc. I d.C.), não poderá apreender o sentido texto em sua totalidade. Esse valor cultural da fábula está bem desenvolvido no nosso livro no texto de Alceu Dias Lima.

Há quanto tempo estuda o tema? Qual seu autor favorito e por que?

Estudo fábula desde 1983, quando comecei minhas pesquisas para o mestrado, as quais se concentravam nas fábulas gregas atribuídas a Esopo. A partir de então meu interesse foi se ampliando para outros fabulistas e também outros gêneros que tangenciam a fábula. Não tenho autor favorito; cada fabulista tem uma peculiaridade, uma característica especial que lhe permite construir novas fábulas ou recontar fábulas de um jeito novo, que nos estimula observar novos aspectos dos textos antigos.

Como Lobato dialoga com as fábulas?

O fabulista, ao recriar as fábulas da tradição, deixa transparecer em seu texto as suas intenções. Lobato retoma a tradição, sobretudo aquela reunida em La Fontaine, e decide não só reescrevê-las “à brasileira”, tornando personagens elementos da nossa fauna e flora (cf. O jabuti e a peúva), mas também estimular uma reflexão a respeito do gênero fábula. Essa reflexão acontece na medida em que seu livro “Fábulas” registra um serão no qual Dona Benta apresenta fábulas para a turma do Sítio com o intuito de ver como essa turminha reage a elas.

Sempre tem moral?

Não se trata de mostrar fábulas para ensinar “moralidades”; ao contrário, Dona Benta já de início mostra duas versões da fábula “A cigarra e as formigas”, priorizando a versão da “formiga boa” (que reconhece o beneficio da arte da cigarra) e pondo em segundo lugar a versão da “formiga má”, versão que veio da Europa! Além de favorecer o questionamento das moralidades tradicionais, o serão de Dona Benta leva os ouvintes a entenderem o funcionamento da fábula. O resultado é muito interessante, pois vemos ouvintes infantis teorizando a respeito da fábula.

E Millôr?

Ao contrário de Lobato, não compôs fábulas para o público infanto-juvenil. Suas fábulas se destinam aos adultos: são paródicas e manuseiam dados culturais complexos.

Em que idade e como as fábulas devem ser introduzidas no universo infantil?

O entendimento de fábulas depende da capacidade de compreensão da linguagem conotativa. Os materiais didáticos do 4o ano do ensino fundamental (para crianças com nove anos, portanto) costumam trazer textos de fabulistas. Mais tarde, no ensino fundamental II, essas crianças conseguirão produzir fábulas.

Como o estudo da fábula é tratado nas universidades?

Nas universidades, a fábula é matéria de pesquisa. A FCL-Unesp de Araraquara é um centro pioneiro de estudos sobre a fábula. Mas conheço estudiosos da fábula que atuam na UFRJ, na UEM (Maringá-PR), no Uni-FACEF (Franca-SP), por exemplo.

O que há de novidade?

Vale destacar a importância do trabalho de tradução de textos antigos que até pouco tempo eram desconhecidos em língua portuguesa, como é o caso das fábulas sânscritas, que hoje podemos conhecer graças ao trabalho de tradução de Valíria Vargas. Esopo já está inteiramente traduzido, Fedro e Aviano também, mas Bábrio ainda não; o que se pode ler dele em língua portuguesa é a amostra que está no nosso livro. Há outros fabulistas antigos que, com o tempo, deverão ser incorporados em nossa antologia. E há também fabulistas modernos, como James Thurber e Ambrose Bierce, que ainda não foram traduzidos para o português. A fábula não para!!!

#unifacef #universidade #letras #graduação #pósgraduação #fábula #francasp